Configuring Oracle Enterprise Linux 7 environment for Oracle Database 11g installation – Part 03

Configurando o ambiente Oracle Enterprise Linux 7 para instalação do Oracle Database 11g – Parte 03 (topic off)

01 – Instalando Imagem de CD dos Adicionais para Convidado

Após ter instalado a máquina virtual com o Oracle Enterprise Linux 7, é necessário fazer a atualização de algumas bibliotecas e ajustar o seu ambiente para que melhor possa traballhar.

Como a instalação está em uma máquina virtual, é muito aconselhável que façamos a instalação dos drives adicionais para Convidado. É uma forma de ter mais compatibilidade de dispositivos compartilhados entre a máquina virtualizada e o host (no meu caso, o host é um Windows 10). O mouse, teclado, câmera e outros dispositivos de sua máquina melhor compatibilizam entre esses dois ambientes.

Para isso, entre e logue em sua máquina virtual criada. No menu da máquina virtual, vá em Dispositivo / Inserir Imagem de CD dos Adicionais para Convidado…

Captura de tela 2017-07-14 22.21.07.png

Aparecerá uma tela de confirmação, para poder executar o conteúdo do “CD”. Clique em [Run].

ScreenHunter_93 Jul. 14 22.24

Digite a senha para o usuário administrador, que foi configurada na instalação como “oracle” (sem aspas)

ScreenHunter_94 Jul. 14 22.25

O virtualbox irá acabar de instalar o Additions Guest.

ScreenHunter_96 Jul. 14 22.27.jpg

Reinicie o Linux e perceba que já não é mais necessário ficar pressionando <Alt GR> + <Ctrl> (direito) para alterar entre a máquina virtual e o host.

Após ter reiniciado a máquina virtual, faça um snapshot dessa máquina, para que seja possível restaurar até o ponto criado. Na configuração da máquina virtual, no canto superior direito, vá em Snapshot, clique no ícone da máquina fotográfica e de um nome e uma descrição para o Snap shot. Clique em [OK]. Desse modo, voce criou um ponto de restauração em sua máquina virtual.

ScreenHunter_97 Jul. 14 22.55.jpg

02 – Configurando arquivos e variáveis de sistema para para o Oracle Database 11g

Configurando a placa de rede do servidor Oracle Linux Enterprise

Na instalação da estrutura da máquina virtual, deixamos a configuração da placa de rede como tipo “Placa em modo Bridge”, ou seja, a sua máquina virtual irá fazer parte da sua rede como se fosse um host qualquer.

Na maioria das redes domésticas, o router de internet está configurado para distribua IP’s dinamicamente, ou seja, quando um dispositivo conecta a sua rede, atribui-se um IP diferente.

Para qualquer tipo de servidor, é necessário que o número IP esteja fixo ou estático. Vamos fazer essa configuração no servidor Linux, para que ele “nunca” mude de IP.

Abra um terminal ( no menu Applications / favorites / terminal) e ping em um número IP da sua rede que não esteja sendo usado (preferencialmente um IP que voce memorize facilmente), para que não haja conflitos de IP. Após ter confirmado que o IP não esteja sendo utilizado, digite “exit” (sem aspas) para fechar o terminal.

ScreenHunter_101 Jul. 16 11.06.jpg

 

No ambiente de trabalho, clique em cima da bateria / wired /wired settigns

ScreenHunter_98 Jul. 16 10.58

Irá ser mostrado as configurações atuais da placa de rede. No caso abaixo apresentado, está configurado para ser DHCP. Clique em cima do ícone da engrenagem para que o sistema apresente as configurações a serem modificadas.

ScreenHunter_99 Jul. 16 11.03

Na aba IPv4, altere as configurações da sua placa de rede para “Manual”. Digite as novas configurações da sua placa de rede, clique [Apply] e feche a janela da placa de rede. Clique em Off e On para reiniciar as configurações da placa de rede.

ScreenHunter_102 Jul. 16 11.14.jpg

Preferencialmente, no seu host fisico, tente dar um ping no IP dado à máquina virtual. Dessa forma, se o ping retornar, é sinal que a sua máquina virtual está sendo enchergada na rede.

ScreenHunter_103 Jul. 16 20.31.jpg

Configurando o arquivo hostname

No Terminal do Linux, transforme-se em super usuário, com o comando “su -” (sem aspas) e digite a senha de administrador dado na instalação (oracle). Verifique o nome do host na máquina virtual com o comando hostname.

ScreenHunter_104 Jul. 16 20.32.jpg

Complemente o arquivo /etc/hosts com o seu editor favorito. No caso, estamos utilizando o “vi”, pois é o editor padrão que é possível usar em qualquer sistema linux.

ScreenHunter_105 Jul. 16 20.40

Dentro do arquivo, adicione a linha do meio com o numero IP mais o nome do host. (no caso abaixo, adicionamos a linha 192.168.25.10 oracle.localhost localhost). Salvamos o arquivo com <ESC>, para sair do modo de edição e depois com o comando :wq (dois pontos, write, quit)

ScreenHunter_106 Jul. 16 20.43

Dê um ping no nome oracle.localhost e veja se o ping retorna. De um <Ctrl> + C para cancelar o ping

ScreenHunter_107 Jul. 16 20.44.jpg

Instalando pacotes de requisitos de software para o Oracle Database 11g

Mesmo o Oracle Linux sendo um Sistema Operacional da própria Oracle, é necessário primeiramente instalar softwares de dependencia antes de iniciar a instalação.

É importante a sua máquina virtual estar conectada à internet, para que se possa utilizar o comando yum. Execute o comando “yum install binutils-2.* gcc.*”

ScreenHunter_109 Jul. 16 20.59.jpg

Criando grupos de arquivos para oracle

Crie os grupos oinstall e dba, através dos comandos groupadd. Verifique se os grupos realmente foram criados através do comandos grep

ScreenHunter_110 Jul. 16 21.30

Verifique se o usuário oracle existe através do comando “id oracle”.

ScreenHunter_111 Jul. 16 21.43

É necessário adicionar o usuário oracle aos grupos criados oinstall e dba, através dos comandos abaixo:

ScreenHunter_113 Jul. 16 21.47.jpg

Configurando parametros do Kernel

Edite do arquivo /etc/sysctl.conf com o editor de sua preferencia:

ScreenHunter_114 Jul. 16 21.59

Complemente o arquivo conforme o texto abaixo, ficando como a figura a seguir. Salve a arquivo.

fs.aio-max-nr = 1048576
fs.file-max = 6815744
kernel.shmall = 2097152
#kernel.shmmax = 536870912
kernel.shmmax = 1578493952
kernel.shmmni = 4096
kernel.sem = 250 32000 100 128
net.ipv4.ip_local_port_range = 9000 65500
net.core.rmem_default = 262144
net.core.rmem_max = 4194304
net.core.wmem_default = 262144
net.core.wmem_max = 1048576

ScreenHunter_115 Jul. 16 22.00

Edite do arquivo /etc/security/limits.conf com o editor de sua preferencia:

ScreenHunter_116 Jul. 16 22.20

Adicione as linhas abaixo no final do arquivo:

#numero de arquivos abertos
oracle soft nofile 4096
oracle hard nofile 65536
#numero maximo de processos
oracle soft nproc 2047
oracle hard nproc 16384
oracle soft stack 10240
oracle hard stack 32768
#espaco de memoria bloqueada
oracle soft memlock 2765
oracle hard memlock 2765

ScreenHunter_117 Jul. 16 22.22

Edite do arquivo /etc/pam.d/login com o editor de sua preferencia:

ScreenHunter_118 Jul. 16 22.25

Adicione no final do arquivo:

session required pam_limits.so

ScreenHunter_119 Jul. 16 22.32

Edite do arquivo /etc/profile com o editor de sua preferencia:

ScreenHunter_120 Jul. 16 22.33

Adicione o seguinte código no final do arquivo:

if [ $USER = “oracle” ]; then
if [ $SHELL = “/bin/ksh” ]; then
ulimit -p 16384
ulimit -n 65536
else
ulimit -u 16384 -n 65536
fi
fi

ScreenHunter_121 Jul. 16 22.47.jpg

Edite o arquivo .bash_profile do usuário oracle.

Primeiramente de o comando “su – oracle” (sem aspas) e depois edit o arquivo .bash_profile

ScreenHunter_122 Jul. 16 22.51

Complemente o arquivo com o seguinte código:

ORACLE_BASE=/u01/app; export ORACLE_BASE
ORACLE_HOME=$ORACLE_BASE/product/11.2.4/db_1; export ORACLE_HOME
ORACLE_SID=orcl; export ORACLE_SID
ORACLE_TERM=xterm; export ORACLE_TERM
PATH=/usr/sbin:$PATH; export PATH
PATH=$ORACLE_HOME/bin:$PATH; export PATH LD_LIBRARY_PATH=$ORACLE_HOME/lib:/lib:/usr/lib; export LD_LIBRARY_PATH
#DISPLAY=localhost:0.0; export DISPLAY

ScreenHunter_139 Jul. 17 23.25.jpg

Execute o comando: source .bash_profile, para verificar se há algo de errado configurado no arquivo .bash_profile. (caso tenha, conserte o arquivo)

ScreenHunter_125 Jul. 16 23.40

Execute os seguintes comandos para conferir as variáveis de ambientes configuradas:

ScreenHunter_126 Jul. 16 23.44.jpg

 

Para fazer o reload dos parametros do Kernel, digite o seguinte comando como super usuário:

/sbin/sysctl -p

Após essas configurações feitas, faça um snapshot da máquina virtual para posteriormente fazer a instalação do oracle database.

ScreenHunter_127 Jul. 17 00.14.jpg

04 – Configurando acesso remoto para o Oracle Enterprise Linux 7.

É possível fazer acesso remoto entre o sistema operacional do host (no meu caso, Windows 10) e o Linux que está virtualizado.

Para isso, utilizaremos o putty para fazer acesso remoto. Procure pelo google por “putty” (sem aspas) e baixe um arquivo putty.exe (para a versão 32 ou 64 bits), e Xming-6-9-0-31-setup.exe. (esse ultimo arquivo servirá para executar ambientes gráficos chamados pelo putty)

Execute o putty no Windows, e coloque o número IP do servidor linux. Dê um nome para a conexao, e clique em [Open]

ScreenHunter_128 Jul. 17 00.24.jpg

Complemente e configure dentro de Connection / SSH. Salve e depois abra o terminal

ScreenHunter_221 Jul. 20 20.30.jpg

A primeira vez executada, irá aparecer a seguinte mensagem.  Clique em [Yes]

ScreenHunter_129 Jul. 17 00.26

Digite o nome do usuário oracle, com a senha escolhida na instalação (oracle)

ScreenHunter_130 Jul. 17 00.30.jpg

Execute o arquivo baixado do xming server no SO do seu host (no meu caso foi o Windows 10). Clique em [Next]

ScreenHunter_131 Jul. 17 00.31

Escolha a pasta que será instalada e clique em [Next]

ScreenHunter_132 Jul. 17 00.31

Deixe na opção Normal e clique em [Next]

ScreenHunter_133 Jul. 17 00.32

Deixe o nome como é o padão e clique em [Next]

ScreenHunter_134 Jul. 17 00.32

Deixe as opções marcadas por padrão em clique em [Next]

ScreenHunter_135 Jul. 17 00.32

Irá ser mostrado as configurações feitas e clique em [Next]

ScreenHunter_136 Jul. 17 00.32

A instalação foi concluída com sucesso. Clique em [Finish]

ScreenHunter_137 Jul. 17 00.33

No Windows, clique em [Allow access]

ScreenHunter_138 Jul. 17 00.33

Verifique na barra de tarefas se o Xwing Server está instalado.

Para utilizar o Xming, é necessário ainda configurar o SSH server para que aceite o ambiente X-Window.

Conforme o artigo https://www.redhat.com/archives/rhl-list/2005-March/msg04651.html, precisaremos editar o arquivo /etc/ssh/ssh_config. Altere e inclua no arquivo as seguintes linhas:

ForwardX11 yes
ForwardX11Trusted yes

Assim, será possível executar aplicativos em o ambiente gráfico pelo host Windows.

 

 

Este artigo continua em:

Expanding virtual machine resources to use ASM – Part 04

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

learningdatabase.com.br

Tecnologias em Banco de Dados Relacionais, Modelagem de dados dimencionais, tecnologias SQL Servere e Oracle

Aprendendo Programação

Algorítmos, C, C++,Pascal, Python, R

WikiDBA

by Virendra Yaduvanshi - Microsoft SQL Server Database Architect | Consultant | Blogger | Specialist | DBA | Speaker

Blog - Fabiano Neves Amorim

SELECT * FROM [Coisas Da Minha Cabeça] WHERE dbo.fn_TempoParaPost() < dbo.fn_TempoLivre()

Tércio Costa, Oracle Developer, OCE SQL, ACE Associate

Guia de estudos para certificação ORACLE SQL(1Z0-047, 1Z0-051, 1Z0-061 e 1Z0-071) e PL/SQL(1Z0-144, 1Z0-146 e 1Z0-148)

Strate SQL

Data Adventures with an Architect

%d blogueiros gostam disto: